quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

As mil versões de Itazura na Kiss

Há quem ame e quem odeie a famosa história entre Kotoko Aihara e Naoki Irie, estamos falando de Itazura na Kiss um mangá/ anime/ dorama que dá muito o que falar.





Kaoru Tada foi a responsável por criar esta história, a obra possuía 23 volumes lançados entre 1991 e 1999, infelizmente devido sua morte prematura Kaoru não chegou a finalizar o mangá, mas, em 1996 devido ao grande sucesso chegava na telinha a versão série/dorama de Itazura na Kiss, mas foi so em 2008 que o anime sobre o casal veio a existir.

Desde então surgiram muitas versões para a mesma história, com alguns detalhes diferentes mas com contexto igual, um relacionamento complicado.

Versões

Itazura na Kiss (Japão - 1996)
It Started With a Kiss (Taiwan - 2005 a 2006)
Cowok Impian (Indonésia - 2006 a 2007)
They Kiss Again (Taiwan - 2007 a 2008)
Playful Kiss (Coreia do Sul - 2010)
Mischievous Kiss: Love in Tokyo (Japão - 2013)
"Kiss Me" (Tailândia - 2015)
"Miss In Kiss" (Taiwan - 2016)

Eu particularmente adorei este anime, que foi embalado na sequencia pelo Playful Kiss a versão coreana da história que com todo o seu diferencial me conquistou ainda mais.




Itazura na Kiss conta a história de Kotoko Aihara uma estudante do ensino médio que finalmente decide confessar o amor que sente por Naoki Irie desde a primeira vez que o viu, assim, nossa princesa resolve escrever uma carta para o bonitão, que é inteligente e bom nos esportes, ao contrário dela que é um pouco desprovida de inteligência, mas ele rejeita a declaração. O destino intervém quando um leve terremoto destrói a casa de Kotoko e de seu pai, incrivelmente eles recebem um convite de um amigo distante para se hospedarem em sua casa por um tempo e os dois aceitam o convite. Ao chegar em seu lar temporário, Kotoko se surpreende ao descobrir que um dos filhos dos donos da casa é nada mais nada menos que o seu amor não correspondido.




Com algumas pequenas alterações principalmente devido a cultura de cada país vemos a história se repetindo, inclusive podemos usar a destruição da casa de Kotoko como referência para essas mudanças, uma vez por terremoto, outra por meteoro e assim por diante.




Em se tratando de dorama Playful Kiss é umas das minhas versões favoritas!

Polêmicas 

Kim Hyun Joong protagonista de Playful Kiss vinha sendo acusado de agressão pela ex-namorada, isso rendeu muitos comentários contra o rapaz, aparentemente tudo não passa de uma fraude mas isso quem poderá determinar é a justiça, porém, algumas pessoas acabaram associando as agressões a história machista de Itazura na Kiss e suas versões.
A questão é que não foi apenas uma declaração de amor não correspondida e sim uma sequência de humilhações que rebaixavam a pequena Kotoko a nada e, mesmo depois de tudo isso eles ainda acabam juntos e casados. 





Bom quanto a isso eu preciso expressar minha opinião..
Muitas pessoas justificam que à tempos atrás esta história não teria maldade alguma mas hoje com o aumento do feminicídio  a coisa tende a mudar de figura, que romantizar um relacionamento abusivo é concordar com ele.
Eu gosto do contexto de Itazura na Kiss e nem por isso sou a favor de agressão ou qualquer coisa do gênero, é uma história de amor juvenil que você mesmo deve ter vivido quando adolescente e claro qualquer moça que depois de tanto sacrifício conseguisse conquistar seu amado teria muito orgulho disso, sendo assim, penso que as pessoas hoje tentam colocar muita complexidade onde não há.
Pode ser que futuramente eu mude minha opinião com relação a isso mas hoje a galera vive de mimimi e isso realmente é chato pra danar.

No geral é uma história de romance onde o garoto é confuso apesar de muito inteligente e precisa da garota pra se definir quanto pessoa, já a garota é meio desprovida de inteligencia mas tem muitas convicções na vida e precisa do garoto pra evoluir, assim ambos se completam e ponto.

E você já assistiu alguma das versões?

Leia também - Shiki
Leia também - Aggretsuko

8 comentários:

  1. Olá, gostei da sua resenha e comentário subsequente.
    Eu andei assistindo recentemente o anime e a versão japonesa do dorama. Confesso que o gênero romance adolescente não é muito meu estilo, se me permite dizer. (Só quando estou naqueles dias, mas não conte pra ninguém. É segredo!;) )
    Fiquei bastante chateada quando minha irmã mostrou os comentários negativos na internet, na verdade isso foi o que me levou a ver a live action japonesa, fiquei intrigada já que não vi motivo para todo aquele alvoroço no anime. Sinceramente minha opinião não mudou, pelo contrário, a live action japonesa é ainda mais inocente do que algumas cenas do anime (que concordavam muito com a época em que foi feito).
    Por um lado entendo a lógica de acharem que o relacionamento Kotoko/Naoki pelo ponto de vista da Kotoko beira ao abusivo, porém não há nada lá que comprove isso, primeiro que Kotoko sabia exatamente como Naoki Irie era antes de se casarem: Frio e indiferente a tudo, inclusive ela. Em segundo lugar, ele nunca agiu deliberadamente para machucá-la enquanto num relacionamento, pelo contrário, em vários momentos ele abre mão de suas vontades (ás vezes necessidades) para fazer as dela. A única coisa que há é quando, no anime, ele bate no rosto dela para retirá-la do estado de choque durante a crise no casamento deles (o que na situação não é incomum de ser feito, ainda mais na época e no contexto cultural, é considerado até aceitável. Não era para feri-la de maneira alguma, nem mesmo puni-la, apenas para acordá-la da histeria.) É o único ponto negativo que justificaria a acusação.
    Quando olhado pelo ponto de vista de Naoki, as coisas ficam bem... diferentes. Você sabe o que é ter um QI maior do que as pessoas ao seu redor? É frustrante. As pessoas e as coisas são tão previsíveis que o mundo só é... Chato. E lento. Mas você se acostuma a isso. Depois de um tempo a previsibilidade se torna reconfortante. Então, qualquer coisa que quebra isso é confusa demais para se lidar e você só quer tirar esse... problema... que perturba o seu mundo. Então, sim. Irie Naoki não gostava nem um pouquinho do que Kotoko representava e nem a queria por perto no início. Ele faria tudo pra fazer Kotoko sair da vida dele para que tudo voltasse para onde deveria estar. Mas a vida é feita de fases e ele subestimou não só a Kotoko, mas também o efeito que a imprevisibilidade traz a vida. É emocionante. Apesar do sentimento de derrota ser frustrante é totalmente motivador, nos faz sentir-nos vivos. Então sim, Naoki sabe que ele tem muito a pagar pelo que fez Kotoko sofrer no início, por isso ele faz tantas concessões a ela que não combinam em nada com sua personalidade, ele sabe que isso a faz feliz.
    Por outro lado, ela se apaixonou por ele sendo assim. se ele mudasse totalmente, não acha que ela perderia de alguma forma a pessoa por quem ela se apaixonou?
    Eu não vejo a indiferença dele como abusiva, eles são apenas pessoas extremamente diferentes tentando coexistir fazendo pequenas concessões aqui e ali para que um relacionamento funcione. Não há romantização de um relacionamento abusivo, mas vi fatalismo em comentários, ás vezes as pessoas buscam problemas em tudo (um péssimo hábito). Mesmo se fosse 1- Ninguém pode salvar quem não quer ser salvo, 2 - há pessoas que gostam disso, se você não gosta então não tenha esse tipo de relacionamento, não cabe a nós julgar a pessoas que não conhecemos com base no julgamento exterior. Sinceramente eu jamais aguentaria alguém como Naoki parece ser, não sou como Kotoko também, então não me preocupo com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Fiquei muito feliz pela sua analise e sim concordo com tudo o que você disse, acredito que depois disso eu dispenso fazer qualquer comentário rsrs.
      Muito bem vinda :)

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. A versão que mais gostei foi a Mischievous Kiss Love in Tokyo. Foi bem feita e semelhante ao anime. Gostaria que houvesse a temporada 3, dei uma pesquisada e tem parece que não terá pois a autora não concluiu a série.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade sim, também pesquisei a respeito e procurei assistir todas as versões possíveis, porém, infelizmente as informações são de que realmente a autora não concluiu a série.
      Muito bem vindo

      Excluir
  4. Li que a autora faleceu antes de concluir a série por isso não foi terminada.

    ResponderExcluir