De olho no assunto

De Olho

  • nos Filmes
  • Séries
  • Doramas
  • no Assunto!

Destaques

Post Top Ad

Post Top Ad

terça-feira, 2 de agosto de 2022

Jurassic World: Domínio - O Antigo e o Moderno se unem em prol da Humanidade

agosto 02, 2022 0



 Título: Jurassic World: Domínio

Ano: 2022

Diretor: Colin Trevorrow

Duração: 2h27min

Gênero: Ação, Ficção Científica

Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Sam Neill, Jeff Goldblum, Laura Dern

Sinopse: Quatro anos após a destruição da Ilha Nublar, os dinossauros agora vivem e caçam ao lado de humanos em todo o mundo. Esse frágil equilíbrio remodela o futuro e deve determinar de uma vez por todas se os seres humanos continuarão sendo a espécie dominante em um planeta que agora compartilham com as criaturas mais temíveis da história.

Jurassic World Domínio fecha a trilogia Jurassic World com um ponto final nostálgico, inserindo na trama principal o elenco de Jurassic Park, um presente e tanto para os fãs da saga desde 1993. E esse é o fator crucial para que esse filme seja bom, pois assim como na primeira trilogia (Jurassic Park), esse terceiro filme foi o mais fraco da trilogia atual (Jurassic World). O filme não é ruim, eu sendo um fã dos clássicos Jurassic Park, gostei bastante também deste filme que fechou a saga, mas entre os 3 esse é o mais fraco. E porque eu achei isso?

Agora os dinossauros vivem livremente no Mundo e obviamente isso seria meio caótico e se isso já não fosse um problema, os cientistas ainda continuam fazendo experimentos que colocam ainda mais em risco a vida dos seres humanos. A velociraptor Blue conhecida já dos outros filmes foi capaz de se reproduzir sozinha, e lá vai os humanos imitar, então sem dar muito spoiler, posso dizer que uma cientista teve uma filha/clone, que agora é alvo de organizações gananciosas que não estão nem aí pra nada, querendo mais e mais dinheiro, um outro criou insetos gigantes que estavam destruindo tudo, e  então a galera do bem, dos filmes atuais e antigos se juntam tentando evitar que tudo saia ainda mais de controle.

Basicamente é isso o filme, a trama dessa vez é mais focada nos humanos do que nos dinossauros, os dinossauros aparecem até que bastante mas acaba ficando em segundo plano, já não tem mais aquele suspense que chegava a assustar dos filmes anteriores, e são quase 2 horas e meia, de corre pra lá e pra cá tentando proteger a garota, fora questões já previsíveis, como o famoso Tiranossauro Rex que na trilogia World se tornou uma espécie de herói, sempre aparecendo pra salvar o pessoal, ao contrario da trilogia Park que ele estava mais para um vilão, quando ele aparecia era de se borrar todo.

E é isso, se você curte um filme de ação, dinossauros, ficção científica vale a pena assistir e tirar suas próprias conclusões, se você assim como eu sempre foi fã de Jurassic Park ou já assistiu os Jurassic World anteriores, esse filme é a conclusão da franquia sendo quase uma obrigação você assistir ele, e provavelmente irá gostar pois a nostalgia tocará seu coração rsrsrs. 

Read More

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Alta Tensão - Terror francês de arrepiar

julho 06, 2022 0

Título Original: Haute Tension
Ano: 2003
País: França
Duração: 91 min
Gênero: Suspense/Terror
Diretor: Alexandre Aja
Elenco: Cécile de France, Maiwenn, Franck Khalfoun.
Onde assistir: YouTube
Sinopse: Marie e Alexia são amigas e companheiras na universidade. Num final de semana, Alexia leva Marie para a fazenda de seus pais, mas elas não imaginam que um inferno baterá a sua porta, e que a ida até a fazenda trará consequências drásticas e sombrias.

Está aí um filme que merece todos os elogios que eu já tinha visto sobre ele e o seu sub-gênero. Se trata de um filme de terror do sub-gênero New French Extremity (O termo New French Extremity, ou Novo Extremismo Francês, foi cunhado pelo crítico James Quandt para classificar o cinema transgressivo francês que teve início na década de 1990 e se estende até os dias de hoje).
A sinopse por si só já é chamativa, mas ao dar play nessa obra, vemos o quão visceral ela é. É aquele filme que prende total a nossa atenção, a todo momento está acontecendo algo (muitas vezes chocante e violento) em tela.
Tem um forte teor de suspense, daqueles de deixar a gente apreensivo junto com os personagens, mortes violentas, sem economizar no gore, além de uma trilha sonora que deixa a gente no clima de tensão do filme.

E por último e não menos importante, tenho que citar a ótima atuação das protagonistas, que eu não conhecia as atrizes, mas passaram muita veracidade em tela, onde por mais que sabemos que o gênero terror não é valorizado no Oscar por exemplo, é muito difícil a interpretação nesse tipo de filme, já que o ator/atriz tem que passar uma angústia, medo e sofrimento reais para o espectador.

E a cereja do bolo é o final do filme, sensacional!

Aqui pesquisando a filmografia desse conceituado diretor, vi que ele tem alguns filmes bons e famosos, entre os quais eu já assisti e posso destacar: Predadores Assassinos (2019) e A Nona Vida de Louis Drax (2016).
Já sobre o sub-gênero francês citado no início da resenha, tenho alguns filmes desse segmento na lista pra assistir ainda, que dizem ser ótimos, mas um que já assisti e também gostei bastante foi A Casa do Medo - Incidente em Ghostland (2018, do diretor Pascal Laugier).
Tanto A Casa do Medo, quanto Alta Tensão estão disponiveís gratuitamente no YouTube (até o momento desta publicação).

Boa sessão!
Read More

terça-feira, 5 de julho de 2022

O farol | Não é pra qualquer um

julho 05, 2022 0

Oi genteee!

Recentemente fiz uma postagem sobre o filme  O homem do norte contando para vocês como fiquei encantada com aquela produção, pois bem... Eu já havia assistido ao filme A bruxa do mesmo diretor e percebi que faltava algo, sim, eu ainda não havia assistido um de seus filmes, confesso que com base na qualidade dos dois filmes anteriores eu fui cheia de expectativa em ver esta produção e me deparei com algo completamente atípico, ousado e sem dúvida destinado a um público muito específico.

Vamos ao filme!



Título: The Lighthouse
Ano: 2019
País: EUA
Duração: 1h 49m
Gênero: Terror/ Drama
Direção: Robert Eggers e Max Eggers
Elenco: Willem Dafoe/ Robert Pattinson/ Valeriia Karaman

O filme 

O filme se passa no finzinho do século XIX e conta a história de Ephraim Winslow um jovem rapaz que ao buscar um novo trabalho  é enviado a uma ilha remota em nova Inglaterra a fim de auxiliar o faroleiro local Thomas Wake.
O local é enlouquecedor e as consequências do isolamento destes homens começa a tomar proporções inimagináveis, entre tempestades e goles de querosene, o novato tenta desvendar os mistérios que existem nas histórias de pescador de seu chefe.




Falando sobre

Robert Eggers é um gênio! Pronto posso acabar este post por aqui... 😜
Esta claro que minha expectativa foi suprida não é mesmo, O farol é sem qualquer sombra de dúvida um filme excepcional a começar pelo modo em que foi filmado, me parece que Eggers prioriza mesmo a qualidade de seus trabalhos ainda que isso cause estranheza ou rejeição por parte de algumas pessoas.
De fato os filmes dele não se destinam a qualquer publico, pois tem uma personalidade marcante e provocativa.
Filmado em preto e branco com lentes 35 mm, porque sim... Eggers teve toda uma preocupação visual  nesta obra e isso tem um porque de ser, a princípio ver aquela imagem sem cor e quadrada na tela causa um certo incomodo, mas evidencia a solidão daquele ambiente, além de camuflar bem algumas cenas grotescas.
É claro que o objetivo do diretor ao optar por este formato tem implicações ainda mais profundas que fazem deste filme o que ele é, espetacular.





O farol é um filme que conta com 3 personagens apenas e se arrasta por uma trama bem lenta e exaustiva, porém preciso deixar claro que isso não é um problema, não dentro do contexto ao qual ele se propõe, isso realmente expressa com clareza as emoções dos personagens envolvidos.
E os personagens? 
Gente as atuações neste filme beiram a perfeição, acho que dispensa qualquer fala a respeito.
Já o roteiro...Minha nossa!
O roteiro é uma via de mão dupla daquelas que você escolhe o caminho que deseja seguir, e confesso que é isso que me apaixona num filme, a possibilidade de diversas interpretações aqui é bem presente e isso se estende para o pós filme com certeza.



Eggers trabalha na subjetividade, no campo simbólico e por isso o filme pode parecer confuso para alguns, e como disse no post sobre O homem do norte ele é um cara com conhecimento de causa nas questões místicas e mentais do contrário seria impossível realizar um trabalho tão bem feito dentro destas questões.
E cara esse filme é muito bom.

Olhar psicanalítico

Você pode olhar para a trama levando em conta os dois personagens, cada qual com sua história e comportamento peculiar, mas em determinado ponto as similaridades se tornam tão profundas entre eles que podemos ter a impressão de que eles se fundem entre si.
Este filme pode representar questões de recalque se observarmos Winslow como parte integrante da psique de Thomas Wake, sendo Winslow uma representação do inconsciente que busca emergir para a luz que o farol representa.



Temos o contexto de sexualidade reprimida, o próprio farol pode ser considerado uma representação do falo, além do conceito de polaridade, masculino e feminino.
Existe dentro desta produção inúmeros elementos para as mais profundas análises sobre mente humana, sendo todos eles representados metaforicamente em cada entrelinha do filme, basta estar atento aos sinais.



O fato é que eu poderia escrever muita coisa sobre O farol, ainda mais se eu assistisse pelos menos mais umas três vezes para captar o máximo de informação possível, coisa que provavelmente eu farei em breve rsrs, mas a questão que quero evidenciar é que no meio cinematográfico existem vários diretores aclamados pela qualidade de suas obras e mesmos estes muitas vezes não tocam no ponto X da questão.
É preciso ser muito bom para lidar com contextos tão complexos e ainda ser capaz de  dar este amplo significado a questões  da mente humana, para mim isso torna necessário o trabalho de um cineasta, Eggers de fato tem a habilidade de representar a mente através da arte, isso é tão lindo que emociona.



Talvez ao assistir este filme você não compreenda num primeiro momento o motivo pelo qual me encantei por ele, afinal existem muitas representações que como disse anteriormente podem incomodar, mas acredite grande parte do incomodo pode surgir por reconhecer como nossas as atitudes dos personagens.

Dito isto, espero que você assista e reflita.

Um grande abraço














Read More

segunda-feira, 4 de julho de 2022

Derek - Uma ótima série ''escondida" na Netflix

julho 04, 2022 0



Titulo original: Derek

Lançamento: 2013

Temporadas: 2

Elenco: Ricky Gervais, David Earl, Kerry Godliman, Karl Pilkington, Brett Goldstein, etc.

Direção: Ricky Gervais

Disponível em: Netflix

Sinopse: Ricky Gervais é o criador e o astro desta calorosa série cômica, que acompanha Derek, leal funcionário de um asilo que vê apenas o bem nas pessoas. 

Olá amigos do blog. Hoje vim falar um pouco de uma série que realmente quase ninguém conhece, mas está disponível do catálogo da Netflix.
Depois de assistir After Life (também criada, dirigida, produzida e estrelada por Ricky Gervais), série essa que achei excepcional, resolvi assistir Derek, por ter visto que era da mesma mente brilhante de After Life. Derek também achei excelente. Enquanto After Life é mais um drama com comédia, Derek é uma comédia absurda, também com pitadas de drama e frases e diálogos marcantes. Derek é um dos personagens mais carismáticos e incríveis que já conheci, e é totalmente diferente (tanto na aparência quanto em personalidade) de Tony (seu personagem em After Life).



Após assistir e achar incríveis esses dois trabalhos de Ricky Gervais, considero o cara um gênio do gênero.
Ambas as séries estão disponíveis na Netflix.



Derek tem apenas duas temporadas, a primeira contém 7 episódios com uma média de apenas 23 minutos cada um. E a segunda tem 6 episódios com essa mesma duração. Além das duas temporadas, temos um episódio especial de 1 hora pra fechar a série.




Derek tem um humor característico que talvez não é pra todos, mas que me pegou em cheio, pelo absurdo que é, além da parte dramática e dos diálogos serem bem interessantes. Essa série é uma prova de que existem tantos filmes e séries desconhecidas que muitas vezes são gratas surpresas. Espero que gostem da dica!





Read More

segunda-feira, 27 de junho de 2022

2 filmes que irão te fazer querer dar um rumo na vida | E bônus

junho 27, 2022 0

Oi gente linda da minha vidinha, cêis tão beleza?

Antes da gente partir pro que interessa me conta aqui uma coisa... Vocês gostavam da aula de filosofia na escola?

Eu confesso pra vocês que não era uma das minhas preferidas não, não porque eu não gostasse da filosofia em si mas acho que minha professora levava bem a sério a postura de Zaratustra de não falar para quem não quer ouvir, afinal éramos um bando de adolescentes talvez sem a maturidade necessária naquele momento para compreender algo tão profundo, e olha que ela tentou viu rsrs.

Então hoje eu estou aqui incumbida de uma missão muito especial!

É fato que filosofia pode não ser um dos temas mais atraentes para muitos, porém atribuo isso muitas vezes a sua complexidade, então que melhor maneira de acessar esses pensamentos se não através das artes cinematográficas, acredito que elas poderão de maneira mais lúdica clarear um pouco seu pensamento filosófico, ou não 😂.

Temos a arte para não morrer da verdade - Friedrich Nietzsche

Então bora filosofar minha gente...



Título: Quando Nietzsche chorou
Ano: 2007
País: EUA
Duração: 1h 45m
Gênero: Drama
Direção: Pinchas Perry

O filme conta a história de Friedrich Nietzsche um filosofo de pensamentos profundos que enfrenta dias difíceis  após sofrer uma dor de amor, preocupada com as tendências suicidas do "amigo" Lou Andreas-Salomé procura por Josef Breuer professor de Sigmund Freud para que conduza o tratamento deste mal através de um novo método terapêutico baseado na fala e na livre associação do paciente, este feito precisaria ser realizado sem que  Nietzsche o pudesse perceber sob possibilidade de recusa do tratamento.

Breuer que também não estava lá essas coisas decide auxiliar o filosofo e para isso propõem a Nietzsche que ele permaneça em Viena para tratamento das enxaquecas que sofria, em troca pelo seu serviço o grande pensador o auxiliaria com a compreensão de  suas angustias utilizando a filosofia.

Será que esse encontro deu bom ? É claro que deu!

O filme é ambientado em 1882 e embora seja fictício traz elementos reais sobre a vida de Nietzsche e Breuer, incluindo um empenho notável em nos fazer sentir em Viena naquela época.

Eu poderia falar sobre os elementos técnicos do filme? Poderia, mas confesso que as reflexões direcionadas pelos pensamentos destes dois senhores me fizeram por inúmeras vezes não prestar tanta atenção nos elementos de produção.

Sim porque ambos os personagens trazem tantas emoções vividas por nós quanto humanos que a vontade que tive foi de apenas me sentar e refletir junto a eles sobre a minha própria vida e assim o fiz.

Quando Nietzsche chorou dispensa qualquer comentário desta mera mortal, é uma obra magnifica!

Por isso se espera um filme para entretenimento é melhor ir ver o Pelé rsrs, este filme mexe com as nossas estruturas mais profundas então pense bem antes de vê-lo, se você compreender sua mensagem jamais será o mesmo.




Título: Fonte da vida 
Ano: 2006
País: EUA
Duração: 1h 36m
Gênero: Drama/ Fantasia/ Ficção cientifica 
Direção: Darren Aronofsky


Este filme é composto não por uma, mas por três histórias diferentes que se entrelaçam perfeitamente a fim de promover reflexões sobre amor, morte e vida.
Num primeiro momento Tomas Creo um conquistador do século XVI juntasse a um grupo de homens em busca da árvore da vida, em seguida conhecemos o cientista Tommy Creo que está imerso numa busca incansável a fim de salvar sua esposa da morte e por fim Tom um viajante do espaço que vive uma profunda reflexão sobre questões da existência.

Falar sobre este filme não é fácil, mas era de se esperar que assim fosse...

As linhas temporais nas quais as histórias se desenvolvem lembram bastante o modo de produção do Tarantino no filme Pulp Fiction, mas não se engane a semelhança está só ai mesmo, com um orçamento reduzido pela metade Darren Aronofsky não só mostrou para o que veio, ele criou uma obra de arte.

Fonte de vida não é  mais um filme para entretenimento, e sua linha temporal cruzada deixa isso claro, divagar por um momento que seja pode te fazer perder detalhes importantíssimos e cada detalhe merece atenção, conhecimentos sobre esoterismo e cabala talvez te auxiliem a entender alguns elementos presentes na trama, mas não se prenda a isso, sinta a essência do filme e se sentir vontade separe os elementos que mais se destacaram para você e pesquise a respeito, acredite vale a pena.

Este filme entra para a lista de recomendação por que depois de assisti-lo fiquei ao menos duas horas refletindo sobre ele, juntando informações, relembrando acontecimentos e eu particularmente sou apaixonada por filmes que me proporcionam estes momentos, não é sobre apenas ver o filme, é compreender em que níveis ele se aplica a minha estadia humana nesta terra, sim porque um dia esta estadia vai findar e o que resta é a morte, não pensar sobre ela não quer dizer que ela não exista não é mesmo.

Para entender melhor simplesmente assista.


BÔNUS



Título: O baile das loucas
Ano: 2021
País: França
Duração: 2h 02m
Gênero: Drama/Histórico
Direção: Melanie Laurent 

Este filme é uma adaptação cinematográfica do romance Le Bal des Folles de Victoria Mas e conta a história de Eugenie uma jovem de classe alta que tem o "dom" de ver e ouvir os mortos, ao se tornar conhecido de sua família a tal aptidão a jovem moça é internada na clinica neurológica La Pitié Salpêtrière aos cuidados do renomado professor Jean Martin Charcot que conduz ali seus estudos  sobre histeria, doença famosa na época.

Mas Monica porque este filme entra como bônus nesta lista?

Bem meus amigos eu a pessoinha que vos fala é estudante de psicanálise e o intuito primeiro aqui do blog era trazer alguns filmes pouco evidenciados pela critica mas que fossem dignos de atenção pelos fãs, pois bem este é um dos motivos dele estar aqui, porque sim senhoras e senhores este filme é muito bom.

Segundo motivo dele estar aqui é para promover uma reflexão sobre nosso contexto cultural atual com base em situações históricas, este filme diferente  de outros que já vi não traz o Dr. Charcot como o médico bonzinho empenhado em descobrir a cura para a histeria, muito pelo contrário.

Neste filme vemos um hospital que abriga não só as mulheres que sofrem de alguma patologia, mas também mulheres que não se adequam ao que a sociedade chamaria de algo normal, vemos as privações sofridas pela mulher e como os abusos se estabeleceram sendo regidos não somente pelo patriarcado mas e inclusive por algumas mulheres inseridas naquele contexto.

Contudo quero deixar claro que a recomendação deste filme tem fim reflexivo e não ideológico, não sou feminista e também não sou espirita, porém sou uma buscadora da Sabedoria e acho muito válido refletir sobre todo o contexto humano para transcende-lo esta é a missão das indicações de hoje, é nos fazer olhar além do óbvio, além da materialidade, além da religião e além das nossas mazelas 

Bom seus lindos é isso.

Se você gostou das indicações deixem aqui um comentário para eu saber que não estou só nessa jornada filosófica e também para me animar a trazer mais filmes com esta temática.

Se gostam deste tipo de reflexão que vai além dos contextos cinematográficos convido vocês a conhecerem meu outro blog, lá falamos sobre autoconhecimento, espiritualidade, filosofia, psicanálise e mais um bucado de coisa.

Para ser automaticamente direcionado ao outro blog clique aqui

Bom agora eu vou embora, até o próximo post.





Read More

quinta-feira, 23 de junho de 2022

Love & Wish - Sinal de alerta contra o bullying

junho 23, 2022 0

Oi oi meu povo!

Hoje vamos de filme coreano novamente e porque sim 😁.

Confesso que eu pensei muito se deveria postar ou não algo sobre esse filme, por isso demorei a beça pra faze-lo, não que eu estivesse ignorando a relevância da temática, mas assistir a esse filme de deixou um tanto agoniada em um nível que nem sei explicar.

Mas vamos lá.



Filme

Titulo original: Love & Wish
Ano de lançamento: 2022
Duração: 1 h 45 m
Elenco: Young Jae, Choi Ye Bin
Criação: Jang Jae Hyuk
Gênero: Romance/ Drama

 
O filme

O filme conta a história de  Son da Eun uma jovem sonhadora que se muda para Seul junto com suas irmãs mais velhas, a garota deseja intensamente  encontrar um amor verdadeiro e como que por obra do destino ou não, Son da Eun  conhece Kim Seung Hyu um rapaz misterioso que conseguiu lhe arrancar suspiros, mas as coincidências não acabam por ai, ao se apresentar na nova escola quem ela vê sentado junto a janela ? Num é que era o pãozinho de queijo com quem ela esbarrou no elevador.
O que ela não sabia é que Kim Seung Hyu assim como ela tinha um segredo que poderia acabar com o clima de romance entre os dois, será que eles vão superar?


Falando sobre

Confesso pra vocês que mesmo sendo apaixonada por produções coreanas este filme em especial não foi um dos meus preferidos não 😞, acredito que não pelo filme em si mas pelo contexto violento que ele apresentou e como sempre digo por aqui os coreanos ou são quentes ou frios não existe um meio termo para eles.


Com cenas fortes e um enredo nada fácil de engolir Love & Wish trata sobre suicídio, bullying, traumas relacionados a violência e traz isso de uma perspectiva que não ameniza nenhum destes casos muito pelo contrário ele segue por uma linha diferente da convencional.
Mas mesmo com todas essas questões em extrema evidência durante grande parte do filme as cenas fofas também existem fazendo com que a gente se questione se fazem parte do mesmo filme.
Pelo que percebi o desconforto não foi apenas de minha parte, consegui observar vários comentários de pessoas  que se sentiram da mesma forma por ficarem transitando entre o amor extremo e a violência extrema.
Como disse anteriormente quando se trata de temas tão delicados num primeiro momento a gente espera aquele desfecho de conto de fadas, porém este filme vem te chacoalha e diz "a Ei a vida não é só conto de fadas, mas também pode ser um conto de fadas".

Como o filme trata de jovens em idade escolar isso é ainda mais angustiante, como professora eu que o diga, embora o filme seja um obra fictícia o bullying , o suicídio e os traumas causados por ele não são, por isso outra coisa que me questionei foi quanto a classificação 14 anos, não sei se seria a adequada.

De qualquer forma este filme não é só um filme de amorzinho, mas também tem amorzinho, não é só um filme violento mas é também um filme violento e se você quiser se aventurar precisa ir levando tudo isso em consideração.

Eu particularmente prefiro os mais docinhos rsrs.

Bom gente é isso se você já assistiu me conte o que achou.

Conheça também meu outro blog clicando aqui





Read More

sábado, 18 de junho de 2022

A lista de desejos dela - Uma reflexão sobre a culpa

junho 18, 2022 0

Olá meus amores 💕

Que saudade de escrever sobre as produções coreanas, confesso pra vocês que embora eu seja apaixonada por este universo não é fácil criar posts frequentes sobre doramas, afinal eles são longos e eu particularmente prefiro assistir legendado mesmo que haja a dublagem disponível, isso requer tempo e dedicação ou noites mal dormidas, então repensei meus métodos para que eu pudesse trazer um conteúdo de qualidade aqui para o blog e com uma frequência aceitável, mesmo porque preciso admitir que o público dorameiro é bem ativo por aqui então preciso escrever o que eles querem ler não é mesmo?! 

E pra falar a verdade eu também amooo escrever sobre isso!

Hoje vamos falar sobre um filme coreano, sim um filme, embora hoje percebi que existe um dorama com episódios de 17 minutos que me parece o filme dividido em pequenas partes, ambos você encontra no VIKI para assistir gratuitamente, então bora lá.



Filme 
Titulo original: A lista de desejos dela
Ano de lançamento: 2022
Duração: 1 h  40 m
Criação: Hwang Kyung Sung
Gênero: Comédia romântica/ Drama 

Dorama
Titulo original: Her bucket list
Ano de lançamento: 2021
Episódios:10
Duração: 18 minutos em média
Criação: Hwang Kyung Sung
Elenco: Kim So Hye, Na In Woo, Lim Se Jun, Kim Woo Rin
Gênero: Romance, Comédia romântica


O filme 


O filme conta a história de Cha Ra Ri uma jovem que se vê arrasada após descobrir por sua sogra que seu namorado havia falecido, sem conseguir lidar com a culpa que atribuía a si mesma Ra Ri decide colocar fim em sua vida, felizmente sua intenção é interrompida como que por um milagre permitindo que um tempo depois Ra Ri encontre uma lista de desejos que havia construído junto ao seu namorado, ela decide colocar em prática antes de repetir a tentativa de 'por um fim em sua dor ' e então conhece Kang Hansol um jovem cantor com quem compartilhará seu processo de cura emocional.


Falando sobre 

Atenção este filme contém gatilhos emocionais 

Este filme lida com temas bastante sensíveis o que na minha opinião os coreanos fazem muito bem sem sombra de dúvida, então não seria surpresa alguma contar aqui que eu desabei de chorar em vários momentos da trama, e que se você está pensando em ver este filme sem preparar uma caixa de lencinhos vai se arrepender.
A lista de desejos dela é um filme com intensa sensibilidade e sua trilha sonora e aspectos da fotografia colaboram muito para causar reações emocionais, por isso apesar de ser uma linda produção eu não recomendaria que pessoas que estão enfrentando o luto ou questões como ansiedade, depressão e desejo de morte  o assistissem, pelo menos não enquanto estas condições não estiverem sendo mediadas pelo auxilio de um terapeuta ou psiquiatra. 



A culpa

Eu poderia aqui me aprofundar na análise dos aspectos de produção, na fotografia, na trilha sonora, mas prefiro dizer que todo este contexto foi muito bem elaborado e que ao assistir muito provavelmente você poderá comprovar tudo isso, o que mais me chamou a atenção aqui foi o roteiro e é sobre ele que eu quero falar neste post.
A história de Ra Ri fala sobre a superação de um luto, sobre a dor que se sente neste processo, sobre o momento depressivo onde ela não deseja se alimentar ou realizar tarefas básicas e cotidianas por conta de sua angustia e tudo isso foi representado de uma maneira muito profunda, porém fica claro que todos estes eventos estão ligados  a culpa que sente pela morte do namorado, uma culpa funda em que afinal?
Para explicar melhor este conceito eu precisaria dar spoilers mas não quero 😁, talvez em um outro momento, então vamos seguir adiante.
Kang Hansol também é refém da culpa mesmo vivendo um contexto diferente da Ra Ri, porém com uma outra apresentação sintomática, a ansiedade. Ansiedade esta que o impede de cantar em cima de um palco ou diante das pessoas, causando enjoo e desmaio.


Mesmo que a história de ambos  tenham suas diferenças elas se cruzam e tem um inimigo em comum, a culpa, e partindo deste ponto nós somos levados a sentir na pele junto com os personagens como essa vilã consegue paralisar, minar forças e muitas vezes até fazer com que a gente machuque inconscientemente quem está a nossa volta.
Todo o processo de cura dos personagens vem de encarar a dor de frente e decidir se levantar mesmo que isso leve tempo e seja desconfortável num primeiro momento.
Esta para mim é sem dúvida uma das lições mais valiosas deste filme, afinal a culpa nos leva a autopunição e nos faz acreditar que não merecemos o perdão e muito menos novas oportunidades.
Além disso é claro que temos uma produção completa e com muitos elementos que são marca registrada dos doramas coreanos, um xuxu.


Bom meus amigos é sobre isso!
Acho muito bacana explorar estas produções coreanas principalmente porque elas sempre trazem uma visão de mundo, uma reflexão que vai além de todo o romantismo e doçura de suas obras, mas claro eu sou muito suspeita em tecer meus elogios ao trabalho deles, eu realmente adoro.

Se você gostou comente aqui, me fale também de suas percepções.

Quero te convidar também para conhecer meu outro blog, lá a temática é bem diferente.

Um xeruuu e até mais tchau tchau!









Read More

Post Top Ad