domingo, 24 de fevereiro de 2019

Dumplin - Representatividade Plus size

Este filme deixa claro como é importante a autoaceitação 

Olá tchurminha!

O filme do qual vamos falar hoje foi indicação de uma amiga, beijo Lu.
Dumplin chega trazendo reflexão e representatividade ao público Plus Size, porém, fica claro que a história vai muito além disso, o padrão de beleza imposto pela sociedade também é questionado.




Título: Dumplin
Formato: Filme
Baseado em: Dumplin por Julie Murphy
Lançamento: 2019 / Netflix
Duração: 1 h 50 m
Dirigido por: Anne Fletcher
Países de Origem: EUA / Canadá
Gênero: Comédia dramática
Sinopse: Determinada a desafiar os padrões impostos pela sociedade, a adolescente Willowdean Dickson se inscreve no concurso de beleza organizado por sua mãe, uma ex miss.


Sobre o filme 



Este filme é um clichê?
Eu li críticas bastante duras ao roteiro de Dumplin, e embora seja um filme com conteúdo familiar quando se trata de obesidade, eu não  considerei sua história um clichê , afinal a pouca ou quase extinta abordagem sobre o tema deu  luz ao filme que de maneira bem leve trabalha essa questão no mundo jovem, uma boa dose de representatividade.
Willowdean Dickson sabe muito bem quem é e pra que veio, durante o inicio do filme ela realmente demonstra segurança em si mesma, eu diria que isso se deve a sua tia Lucy que tem o mesmo biotipo físico e possui uma incrível autoconfiança em si mesma, fica claro que sua influência sobre a sobrinha fez dela um moça confiante.
Como disse anteriormente esta segurança fica apenas no começo do filme mesmo, com a morte da sua tia Will se vê desnorteada e insegura, afinal agora convive mais intimamente com sua mãe, uma ex miss com base nos padrões de beleza da sociedade, que acaba anulando todo o conceito de autoaceitação pregado por sua irmã.
Tentando se encontrar depois da morte de sua tia, Will parece perder a identidade por um momento, ela se acha indigna de namorar um moço que está com os quatro pneus arriados por causa dela por causa do seu físico.
O filme segue mostrando situações de complexo inferior até que por fim ela resolve participar do concurso de beleza a fim de contrariar sua mãe e simplesmente arrasa.



Representatividade

Minha família por parte de mãe tem uns quilinhos a mais, o que fez com que eu nunca fosse magra, ossos largos é realmente uma coisa real acredite.
A mais ou menos 4 anos atrás eu pesava em torno de 65 Kg, mas ao sofrer de transtorno de ansiedade generalizada cheguei aos 96 Kg que acredito ser o meu peso atual, eu particularmente me identifiquei com a protagonista do filme, com o passar do tempo eu passei a me aceitar e me amar como estou no momento, tenho segurança em mim mesma, mas, em determinados momentos também dou uma cambaleada o que é perfeitamente natural.
Nos padrões de beleza da sociedade não cabe o Plus size, as mulheres que se expõe na mídia não são plus size e quando alguma mulher com este padrão físico resolve aparecer a crueldade toma conta dos comentários / haters.
Estar satisfeito consigo mesmo é um processo diário e sem dúvida as pessoas ao redor tem muita influência nisso, chamar seu filho/a de gordo, sua esposa, namorada, acaba interferindo negativamente neste processo.
Insegurança por causa do corpo é algo implantado pela sociedade e existe, muitas mulheres não tiram a roupa na frente do seu marido por vergonha imaginando ser comparada a mulher boazuda do comercial de cerveja, indústria podre.



O filme aborda de uma maneira muito clara a questão da aceitação, principalmente na adolescência, e o papel da família nessa formação é fundamental.
#por_mais_tias_Lucy

Por curiosidade 

Dumplin é o apelido que a mãe de Will deu a ela.
E isso é um Dumpling:



O processo consiste em entender que fofinha é apenas uma palavra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário