sábado, 30 de março de 2019

Clinical - Ver ou não ver?

Um filme que tinha tudo pra ser uma grande produção, só que não 



Olá tchurminha!
Hoje vamos relembrar mais um filme original Netflix, então prepare-se para ver o terror acontecer ai na sua telinha ha ha ha. 
Brincadeiras a parte, é verdade que tenho sido muito crítica quanto as produções da nossa salvadora do tédio, mas sinceramente não sei o que acontece, como a Netflix é tão boa em produzir séries e falha tanto nos filmes, uma das coisas que andei percebendo é que ela tem uma grande dificuldade em trabalhar o tempo  nos filmes, parece que 1h 30m não é  favorável para uma boa produção. 
Mas vamos à bola da vez: Clinical.




Título: Clinical
Formato: Filme
Ano produção: 2017
Duração: 1h 44m
Dirigido por: Alistair Legrand
Países de Origem: EUA
Gênero: Thriller de terror
Sinopse: Uma psiquiatra é atormentada por lembranças de um terrível ataque enquanto cuida de um paciente desfigurado em um acidente.

Falando sobre  

Acredite, Clinical teria tudo para ser um filmaço, com uma história muito bem trabalhada durante o decorrer do filme mas, que derrapa feio ao tentar impressionar com um final pra lá de estranho.
O filme conta a história de Jane Mathis uma psicologa especialista em terapia de confronto, tempos atrás uma de suas pacientes causou-lhe um grande trauma, além de atacá-la, tenta suicídio alegando que o tratamento não está funcionando e que a Dra Mathis está enganada.
Mesmo tendo iniciado um tratamento psiquiátrico depois do ocorrido Dra Jane continua exercendo sua profissão, rejeitando apenas casos pós-traumáticos.   




Um belo dia Dra Jane recebe uma ligação de um paciente em potencial, Alex havia sofrido um acidente que o tinha desfigurado e conhecendo a fama da psicologa resolve implorar socorro, embora Dra Jane rejeitasse todo e qualquer caso pós-traumático acabou cedendo ao desespero de Alex.
A vida já não seguia calma, coisas estranhas começam a acontecer e vemos Dra Jane entrando em colapso mental.
Nora a paciente causadora do trauma não havia consolidado sua intenção suicida e passa a perseguir novamente sua ex terapeuta.




Até o surto da Dra vemos um cliche muito bem elaborado, confesso que elevou consideravelmente minhas expectativas, até começar o show de bizarrices.

Spoiler

Em vários momentos durante a trama temos dificuldade em separar o real do irreal, isso claro é intencional afinal Jane está usando ansiolíticos deliberadamente sem qualquer acompanhamento do seu atual psiquiatra.
Nora passa a persegui-la novamente mas ela não está agindo sozinha, seu pai te coordenado toda a situação, quem é seu pai? Alex.
A verdade é que Alex não sofreu um acidente automobilístico como vinha relatando, Nora foi a responsável por desfigurá-lo.
Tudo gira em torno de vingança, mas é a partir dai também que tudo perde a coerência e fica assustadoramente esquisito.
Dra Jane que é raptada por Alex acaba conseguindo fugir mas antes de pular a janela consegue arrancar toda pele do rosto do seu agressor, não se sabe porque diabos depois de fugir ela resolve retornar a casa e encontra Alex sentado no sofá e morto.
Talvez a maneira como descrevi não tenha deixado claro a cena final, só vendo pra entender a esquisitice.



Com tudo isso...
O filme é ruim? Não.
O final do filme é ruim? Horrível.
Vale a pena assistir e ignorar o final? Sim de outra maneira seria impossível gostar desta produção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário