Fevereiro 2020 - De olho no assunto

De Olho

  • nos Filmes
  • Séries
  • Doramas
  • no Assunto!

Destaques

Post Top Ad

sábado, 29 de fevereiro de 2020

Modo avião | Um filme de sucesso mundial

fevereiro 29, 2020 0
Olá viciados em redes sociais, olá viciadas em redes sociais tudo belezex?

Sim você está no blog De olho no assunto e sim eu assisti a esse filme todo teen só pra resenhar pra vocês, então sem mais de longas bora pro filme.



Título:
Modo avião
Formato: Filme
Ano produção: 2020
Duração: 1h 35m
Dirigido por: César Rodrigues
Gênero: Comédia
Elenco: Larissa Manoela, Erasmo Carlos, Katiuscia Canoro, André Frambach e Dani Ornellas
Sinopse: Ana recebe uma proposta para ser influenciadora digital de uma marca renomada. Ela larga a faculdade para investir todo o seu tempo na página digital criando publicações, mas o trabalho que a princípio seria incrível, foi ficando cada vez mais nocivo para ela mesma. Certo dia, de tanto usar o celular, a jovem sofre um sério acidente de carro, o que a leva a deixar sua função de influenciadora de lado e passar um tempo na casa de seu avô Germano, no interior da cidade.


Sobre o filme 

Modo avião traz Larissa Manoela interpretando a personagem Ana uma digital influencer que vive em função de likes e visualizações, mimada não parece conhecer limites até que se envolve em mais  um acidente de carro, sim ela dirige pela cidade como quem brinca num bate-bate aquele dos parques de diversão.
Já no hospital Ana está sendo processada e por esse motivo pra não ir para a prisão nossa bonequinha de porcelana precisa dizer adeus ao celular e pra vida na cidade, sim ela foi mandada pra casa do avô lá onde judas perdeu as botinas e não há sinal de celular que chegue até lá.





Vamos a análise

Modo avião é aquele tipico filme para assistir com um balde de pipoca do lado, sendo apontado pela Netflix como sucesso mundial, parecem ter acertado na produção.
Diferente da grande parte dos filmes originais Netflix Modo avião tem pouco mais de 1 hora e meia de duração o que me agradou bastante mas assim como acertos devem ser sim elogiados quando acontecem precisamos analisar toda a construção da trama que infelizmente não se resume apenas em acertos.




Por se tratar de um filme teen acredito que a presença da protagonista já seria suficiente para o sucesso da produção e para agradar aos mais maduros Erasmo Carlos também esteve presente na construção desta história até aqui ok.
A escolha dos figurinos foi muito feliz na minha opinião assim como a fotografia e imagem do filme, o que derrapou um pouco  foi a construção do roteiro que começou bem, se prolongou muito e depois terminou numa velocidade impressionante (risos).
A impressão que tive é que seria mais um dos longos da Netflix mas se lembraram que o público alvo eram os adolescentes e decidiram terminar o filme logo para não completar 2 horas de duração.
O forte desta produção está nas reflexões a que se propõem, o uso excessivo das redes sociais que tem sido tão recorrente entre os jovens e como o distanciamento das mesmas muitas vezes tem um efeito positivo sobre nossa vida, Ana por exemplo se reencontra com sua estilista interior ao deixar de usar seu celular.

Fail

A menos que nossa protagonista goste muito ou tenha várias capinhas de celular da mesma cor e modelo me parece que algo não deu muito certo nas filmagens.
Mesmo sendo um detalhe quase imperceptível para alguns eu não pude deixar de reparar em uma coisa: Quando Ana está voltando pra São Paulo ela joga o celular pela janela do carro em movimento,  momentos depois ela aparece com um novo celular na caixa inclusive, depois disso ela aparece novamente com um celular igualzinho ao que jogou pela janela, pode isso produção?




No geral Modo avião não traz nada de inovador mas é divertido, proporciona reflexão e pode ser assistido por toda família.
Agora sucesso mundial? Que critério foi usado para essa afirmação.

Se você ainda não me segue nas redes sociais bora lá tchurminha sempre aviso lá no Instagram quando tem post novo aqui no blog.
@deolhonoassunto_oficial.

Beijin
Read More

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Seis vezes confusão | Mais Marlon Wayans

fevereiro 28, 2020 0
Olá grande família beleza?!

Você já assistiu As branquelas, O pequenino, Todo mundo em pânico, Nu, Cinquenta tons de preto ou Inatividade paranormal?
Se a resposta for sim você sabe bem quem é Marlon Wayans, o cara sabe mesmo como fazer rir e dessa vez veio com uma proposta bem inusitada.
Seis vezes confusão parece querer surpreender, mas será que conseguiu?




Título: Sextuplets/ Seis vezes confusão
Formato: Filme
Ano produção: 2019
Duração: 1h 39m
Dirigido por: Michael Tiddes
Gênero: Comédia
Sinopse: Prestes a se tornar pai, ele descobre que tem cinco irmãos gêmeos e decide conhecer toda a turma que estava na barriga com ele. Marlon Wayans interpreta os seis gêmeos.


Sobre o filme

Quando nos tornamos pais uma chave gira em nossa mente e não foi diferente com Alan que prestes a se tornar pai do seu primeiro filho resolve procurar por sua mãe a fim de estabelecer um laço familiar mais próximo.
Mal sabia  ele mas sua família era um pouco maior do que esperava: Russell, Dawn, Ethan, Jasper e Baby Pete, eles eram sêxtuplos.


Crítica

Eu particularmente adoro Marlon Wayans, tenho como referência dois filmes que amo: As branquelas e O pequenino, o  cara manda bem, é engraçado e ver sua versatilidade explorada atuando em seis papéis diferentes foi algo que me fez criar expectativa, mas já dizia Martha Medeiros "Excesso de expectativa é o caminho mais curto para a frustração".
Seis vezes confusão tinha tudo para ser engraçado, só que não!
Embora não seja algo catastrófico é impossível não perceber os enroscos e atropelos de um  roteiro mal construído.
Ao contrário de As branquelas onde há uma maior exploração do gênero Seis vezes confusão aparece tímido com foco nos clichês e na falta de identidade.
A princípio a ideia de ver seis faces do mesmo Marlon sendo apresentadas me pareceu um acerto gigantesco mas ao acompanhar o desenrolar da trama fica claro que não deu certo, mais ou menos como se cada irmão por ele  representado tivesse uma classificação de 1 a 6 do melhor para o pior, será que ficou claro? Tentando explicar melhor este pensamento doido é como se Alan fosse a melhor atuação e Baby Pete a pior.




Infelizmente este filme pode ser muito bem representado por essa frase: "Me mostraram uma Ferrari e me venderam um fusquinha".
Mas até o fusquinha tem suas qualidades não é mesmo, criticar este filme dizendo que foi uma perda de tempo seria injusto da minha parte, embora com um roteiro confuso que se enrola algumas vezes no meio da trama a ideia central para mim foi muito boa e claro a moral da história pode salvar a pele desta produção.
No quesito Humor e risadaria, acho melhor assistir o filme do Pelé.

Read More

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

O limite da traição | Crítica - De olho no assunto

fevereiro 26, 2020 0
Olá pipoquinhas de açúcar!

Estive dando uma passeada pela internet e pelas redes sociais quando percebi um zum zum zum a respeito do filme O limite da traição, disponível na Netflix, e claro como minha missão neste blog é tratar sobre conteúdos bons e ruins decidi escrever a respeito, então simbora.






Título: A fall from Grace/ O limite da traição
Formato: Filme
Ano produção: 2020
Duração: 1h 55m
Dirigido por: Tyler Perry
Gênero: Suspense/ drama policial
Sinopse: A íntegra e dócil Grace confessa ter assassinado seu marido, mas sua jovem advogada desconfia de algo e parte em busca da verdade.


 O filme 

Após o divórcio Grace sente-se só, mesmo com uma bela casa e uma vida financeira bem estabelecida anseia  por amor, um relacionamento tipico dos contos de fadas.
Sarah que tem acompanhado de perto a necessidade da amiga segue incentivando seu sonho até que indiretamente leva Grace a conhecer Shannon um rapaz bem mais novo que ela mas dono de uma doçura, uma delicadeza e um romantismo tão envolvente que consegue desarmar todas as precauções de Grace e acaba se tornando seu marido.
Tempo depois ao perceber que foi roubada por ele Grace o mata e acaba presa, Jasmine uma ingressante no ramo da advocacia foi designada para trabalhar em sua defesa o problema é que ela é conhecida como advogada dos acordos o que não traz a Grace alguma expectativa de liberdade então se declara culpada.




Crítica

Tyler Perry parece ter um  objetivo com a produção de seus filmes - causar reflexões, e se esse é seu único objetivo palmas pra ele porque presumo que  tenha obtido êxito nesta questão.
O limite da traição assim como For colored girls tendem a nos levar a pontos de reflexão sobre questões cotidianas que muitas vezes passam desapercebidas mas nem por isso deixam de merecer nossa atenção.
No caso de O limite da traição vemos uma pessoa ingênua sendo enganada pela melhor amiga e quem nunca passou por uma situação como essa?




O fato de uma mulher experiente estar tão carente a ponto de ignorar princípios básicos de segurança reflete muito o que acontece hoje mesmo que muitas vezes aconteça por meio de aplicativos de relacionamento ou pela internet, em outras palavras o filme retrata algo tão atual e presente na sociedade quanto o maldito corona vírus, golpes existem!
A representatividade também parece ser outro ponto com o qual Tyler Perry se preocupa, em seu elenco 95% negro vemos a intenção de mostrar um "padrão" diferente do proposto na maioria dos filmes americanos que sinceramente muito me agrada.



Mas se por um lado Tyler Perry acerta em suas escolhas por outro HELP ME!
A premissa de suas ideias é muito boa mas se perde no meio do caminho, com um roteiro previsível e atuações um tanto rasas fica difícil ser envolvida pelo drama de Grace.
Com várias histórias sendo exploradas concomitantemente não fica muito claro a real motivação para que esta história esteja sendo contada.
Um filme que tem  duração de quase 2 horas poderia ter explorado muito mais situações como o fato de Sarah esconder idosas no porão, ou até mesmo ter se dedicado mais a história de Grace.
As atuações deixaram muito a desejar  em especial a de Grace que está presa por matar uma pessoa, mas seu desespero não fica claro assim como sua inércia também não, além disso não há abertura para que a dúvida seja instaurada, se ela sabe que o corpo não estava mais no local quando Sarah foi até lá porque não se perguntou em nenhum momento onde estava o corpo?
Nesta questão a produção peca em um quesito que é especialidade da Netflix: não ser objetiva e transformar um filme em uma série de duas horas sabendo que este tempo não é suficiente pra uma  série e muito longo para um filme que se explica em uma hora e meia no máximo.
Jasmine também me causou um pouco de indigestão, se tudo na trama parece absurdo do ponto de vista coerência personagens sem personalidade marcante e com comportamento irritante foram um ponto crucial aqui, Jasmine é advogada mas seu comportamento birrento só deixa claro que não foi uma feliz escolha dentro do  roteiro.




Infelizmente a ideia de nos fazer refletir sobre o tema não foi suficiente para dizer que este filme é bom, mas deixando a crítica de lado e levando em conta apenas uma obra fictícia podemos dizer que O limite da traição é uma trama clichê que mostra apenas mais do mesmo e que peca em querer ser mais que isso.

Read More

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Doutor Sono | Crítica - De olho no assunto

fevereiro 25, 2020 0

Sequência de O Iluminado tem ênfase na vida de Danny Torrance após os episódios de horror no Hotel Overlook


Olá cinéfilos, olá cinéfilas, tudo baum com ceis ?

Preparados para o post de hoje? Se segure na cadeira porque hoje nós vamos falar sobre Doctor  Sleep romance de horror de um  dos maiores gênios do gênero mais amado do mundo Sthephen King.







Título: Doctor Sleep/ Doutor Sono
Formato: Filme
Ano produção: 2019
Duração: 152 minutos
Dirigido por: Mike Flanagan
Gênero: Terror
Sinopse: Na infância, Danny Torrance sobreviveu a uma tentativa de homicídio por parte do pai, um escritor perturbado pelos espíritos malignos do Hotel Overlook. Já adulto, traumatizado e alcoólatra. Danny se estabelece em uma pequena cidade, onde consegue um emprego no hospital local. Sua paz, porém, está com os dias contados a partir de quando cria um vínculo telepático com Abra, uma menina com poderes tão fortes quanto aqueles que ele bloqueia dentro de si.


Relembrando a história de Danny Torrance em  O Iluminado




O Iluminado é um filme de 1980 baseado em um romance de 1977 de Sthephen King, nele Jack Torrance um aspirante a escritor se recuperando de sua condição alcoólatra se vê agora como cuidador no Hotel Overlook.
Sua esposa Wendy Torrance  e o jovem filho Danny Torrance o acompanham nessa nova ocupação, Danny tem habilidades psíquicas ou paranormais que permitem que ele veja o passado sombrio do tal Hotel, tudo caminha da maneira mais sombria possível até que Jack Torrance parece ser possuído por algum espírito mau que busca matar toda sua família.


Doutor Sono 





Danny sobreviveu ao episódio que aconteceu no Hotel Overlook,  já adulto parece seguir os mesmos passos de seu pai com relação ao álcool.
Trabalhando em uma casa de repouso Danny procura   tomar um rumo na vida até que a pequena Abra Stone leva-o a enfrentar seus fantasmas indo de encontro ao seu maior pesadelo o maldito Hotel.


Crítica





Enquanto o filme O Iluminado nos confunde absurdamente entre o que é real e irreal Doutor Sono faz exatamente o oposto seguindo por um caminho mais convencional.
Mesmo que um seja sequência do outro ambos foram dirigidos por pessoas diferentes o que justifica algumas disparidades, e claro eu tenho o meu preferido.
Doutor Sono tem a dura missão de ser o mais fiel possível ao livro enquanto continua um filme que deu suas escapadelas neste mesmo quesito, será que Mike Flanegan conseguiu?
Diria que sim!
Deixando um pouco o filme de Kubrick de lado Doutor Sono vem mesmo para causar calafrios, com um roteiro bem construído  e cenas tão coerentes que nos levam de volta ao Hotel Overlook sem o menor esforço.
É fato que para alguns as referências ao filme anterior ficaram tão intensas que acaboram atrapalhando um pouco o quesito trabalho autoral o que de verdade não me incomodou muito pelo contrário, achei que as cenas recriadas neste filme nos aproximaram muito da história criada por Sthephen King independente de quem tivesse dirigido o filme.
Com uma linguagem clara e de mais fácil interpretação parece que Flanegan queria mesmo agradar a um público maior, isso sim foi o que me incomodou um pouco, pois embora tenha sua complexidade tudo estava claro de mais, não existiu muitas situações que instigassem nossa mente.
Claro que estes apontamentos não desqualificam de maneira alguma este filme que por sinal é muito bom e pode ser chamado de filme inteligente.

Espero que tenham gostado, até o próximo post.

Read More

Because this is my first life | Resenha

fevereiro 25, 2020 2
Oi povo lindo de bonito, tudo bem com vocês?!

Bom como puderam ver o blog está de cara nova e eu espero do fundo do ❤️ que vocês tenham gostado.
E claro para dar início a esse novo momento do De olho no assunto eu escolhi um doraminha fofo mas tão fofo que não encontrei uma palavra na blogosfera que pudesse defini-lo.
Vamos falar sobre PORQUE ESSA É A MINHA PRIMEIRA VIDA.






Titulo: Because this is my first life / Porque essa é a minha primeira vida
País de origem: Coréia do Sul
Dirigido por: Park Joon-hwa
Episódios: 16
Ano de lançamento: 2017
Elenco: Lee Min- ki / Jung So-mim
Gênero: Romance / Comédia romântica
Sinopse: Nam Se Hee é um homem solteiro no início dos seus 30 anos que conseguiu comprar sua casa própria. Mas seu financiamento custa toda sua renda e não sobra muito para fazer mais nada. Yoon Ji Ho é uma mulher solteira no início dos seus 30 anos que mal ganha para sobreviver e desistiu de marcar encontros por causa de sua situação financeira. Por meio de circunstâncias inesperadas, Ji Ho se torna inquilina na casa de Sae Hee e eles se tornam companheiros de casa. Eles podem se ajudar a lidar com seus problemas financeiros?


Sobre o Dorama




Ji Ho acaba de completar 30 anos e depois de se formar em literatura sente na pele as dificuldades em lutar pelo seu sonho, com suas histórias reduzidas a quase nada tudo o que ela deseja agora é voltar pra casa mas, as surpresas só estavam começando.
Enquanto esteve fora seu irmão mais novo encontrou uma namorada e não satisfeito engravidou a guria, desconfortável com a situação decide procurar outro lugar para morar.
Se Hee um jovem de 38 anos vive em função de quitar seu financiamento e para isso precisa de um inquilino que possa complementar sua renda.




Situações malucas vão acontecendo e resulta no casamento desses dois, uma união baseada nos interesses pessoais de cada um, será que isso vai dar certo?

Crítica 

Preciso dizer que este dorama tem um grande valor sentimental pra mim, afinal assisti exatamente no dia do meu aniversário de 30 anos e fui presenteada com a filosofadas do Se Hee:

"Gatos não tem neo-córtex eles comem a mesma coisa, vivem na mesma casa e fazem tudo igual todo dia  mas não ficam entediados, para eles o tempo é apenas o momento atual. Porque tenho 20, como tenho 30, logo vou ter 40 a única espécie que se limita a partições de tempo assim  é a humana. Só os humanos veem a idade como fraqueza e gastam para impedi-la e isso tem um preço emocional, é a desvantagem de ter um neo-córtex evoluído. Trinta anos, quarenta anos para os gatos é a mesma coisa todo dia." - dialogo entre Ji Ho e Se Hee no primeiro episódio.

Essas palavras entraram tão profundamente no meu coração que foram responsáveis por um dos melhores aniversários da minha vida.

Mas vamos a crítica.

Because this is my first life é um dorama docinho que rende muitos, muitos mas muitos suspiros ao espectador, claro que o romance dos doramas coreanos parecem clichê mas NÃO...
Mesmo que o conceito não varie muito de dorama pra dorama as histórias sempre surpreendem e acredito que é isso que grande parte do público dorameiro espera, histórias inovadoras com o mesmo clichê dos romances convencionais.
O roteiro foi lindamente escrito de maneira que envolve, emociona e traz grande dose de satisfação a cada episódio.
O diretor e toda sua equipe foram muito felizes em sua proposta que promete reflexões tão profundas quanto os sentimentos que vão sendo moldados em cada dialogo, Because this is my first life não é apenas uma comédia romântica tudo se conecta a fim de proporcionar aprendizado.
O elenco esteve tão sintonizado que toda a atuação parecia uma linda valsa sendo dançada calmamente e de maneira cativante.
Não somente o roteiro mas todo o conjunto da obra merecem ser aplaudidos de pé.




BÔNUS





Claro que dorama que é bom traz histórias paralelas tão envolventes quanto a dos protagonistas vamos conhece-las:
Seguindo a imagem vamos começar da esquerda para a direita certo?!

Jo Hi e Se Hee

Jo Hi tem 30 anos, é formada em literatura e nunca teve um namorado, sua família também não incentiva muito o seu sonho e por isso ela sozinha vai encontrando seu próprio caminho, inocente, dramática e fofa Jo Hi segue acreditando em um casamento por amor até conhecer Se Hee.
Se Hee é um homem de 38 anos, trabalha com TI na criação de aplicativos, especificamente no Não case, Namore. Isolado do mundo tem como objetivo de vida quitar seu financiamento e cuidar de sua gata, não acredita ser capaz de amar, mas nem sempre foi assim ele já se apaixonou um dia e a dor traumática desse evento tornou seu coração tão duro quanto pedra, mas todos nós sabemos que água mole pedra dura tanto bate até que fura, e depois de conhecer Jo Hi não demorou muito pra superar sua dor antiga.


Woo So Ji e Ma Sang Go


Sonhando ser uma CEO So Ji acaba trabalhando em uma empresa de grande porte, todos os dias se submete a sofrer assédio e  preconceito dos seus superiores porque na verdade So Ji não vê outra opção já que faz de tudo pra ajudar sua mãe sofre com uma deficiência, uma mulher com personalidade forte que essa comportamento como escudo contra seu maior admirador CEO Ma.
CEO Ma acredita ser expert no comportamento feminino até conhecer So Ji uma mulher tão carrasca quanto linda, claro que ele não vai se dar por vencido precisa se esforçar bastante para conquistar o coração de muié ruim rsrs.

Yang Ho Ran e Won Suk

Ho Ran é gerente de um restaurante mas não deseja esse caminho pra vida toda, namorando a sete anos com Won Suk ela está desesperada pra casar o que acaba por trazer muitos conflitos para a relação, Wok Suk por sua vez pensa em focar na sua carreira de engenheiro criando aplicativos inúteis  e não tem ideia do que fazer pra atender os pedidos de Ho Ran.


O fato é que cada um desses casais tem suas peculiaridades e por isso nos encantam, afinal o que é realmente o casamento?

Espero que vocês tenham gostado, 키스 .
Read More

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Case: vale a pena assistir?

fevereiro 19, 2020 0

Com uma proposta pouco inovadora Case não mostra pra o que veio

Hello peoples! 

Como vocês já puderam perceber a crítica hoje é negativa, sim sim meus queridos leitores nem só de série boa é composta a Netflix, então vamos direto ao ponto.




Titulo: Case
País de origem: Islândia
Criação: Andri Óttarsson,Þorleifur Örn Arnarsson
Episódios: 09
Ano de lançamento: 2016
Elenco: Steinunn Ólína Þorsteinsdóttir,Magnús Jónsson,Þorsteinn Bachmann
Gênero: Série policial
Sinopse: Um advogado inteligente, alcoólatra e autodestrutivo encontra um novo propósito na vida com a investigação do aparente suicídio de uma garota.

 A série 

A trama começa quando uma adolescente é encontrada morta em um teatro, com a suspeita de que se trate de um caso de homicídio e não suicídio como levantado a princípio Denise uma investigadora policial se empenha em descobrir a verdade por trás dessa tragédia.
Advogados Logi Traustason ( Magnús Jónsson ) e Brynhildur (Jóhanna Vigdís Arnardóttir) da série The Court, vivem caminhos opostos, ela empenhada em ajudar crianças trabalhando em um conselho tutelar, ele enchendo a cara e vivendo uma vida um tanto promiscua.
Os destinos se cruzam a fim de descobrir  em fim quem matou a bailarina.
A menina morava com os pais adotivos porém, os pais biológicos acompanhavam a distância o desenvolvimento de sua filha.




Crítica 

Eu fui levada a assistir essa série devido a demasiadas críticas favoráveis a essa produção, cheia de expectativa me vi em busca de uma história quase perfeita e daí minha decepção.
Quem gosta sabe porque gosta e gosta mesmo, mas como fã de séries também sei porque eu detestei essa produção e posso pontuar muito bem o porquê.



Embora a proposta central gire em torno de um clichê das séries policiais mais uma investigação sobre a morte de uma bailarina no teatro isso se torna aceitável desde que o restante da história surpreenda, a questão é que o que era visto como ponto principal cria tantas ramificações que o roteiro segue totalmente desconexo a partir de certo ponto.
Cada personagem traz consigo uma história que é extremamente explorada, o que deixa algumas cenas tão cansativas que por muitas vezes adiantei aqueles 10 segundinhos.
Excesso de nudez e drogas que para mim tornaram-se tediosos, chego a me perguntar se era necessária essa ênfase toda para que o espectador pudesse compreender o universo em que a trama acontecia.
As atuações na minha opinião foram outro ponto decepcionante, em destaque para dois personagens Thor e Hanna, não pude sentir o envolvimento ator e personagem, especialmente na Hanna  que deveria mostrar emoções intensas por conta de sua condição.
O roteiro é ruim, não por falta da interpretação daquilo que ele se propõem mas sim porque em 9 episódios nos faz parecer baratas tontas e no fim não é capaz de apresentar um desfecho, não digo isso no sentido conclusivo mas em questão a apresentar um final mesmo que inconclusivo.



Sendo assim terminamos essa temporada com tantas dúvidas quanto começamos.
Em meio a toda essa tragédia de desacertos chegamos a um possível culpado Benedict o personagem mais nojento dessa série, com um discurso tão lastimável quanto o restante do pacote Case.

"Você sente que o que eu faço não é natural porque você deixou que a sociedade te programasse com uma ética estúpida que não se encaixa em homens como nós, eu não vou deixar que a moral de uma sociedade feminista me tire o direito de atender as minhas necessidades, eu vou fazer o que eu quiser, sem nenhuma regra sem sistema ou culpa que tente me impedir "
Fala extraída do dialogo de Benedict e Logi.

Se foi criada pra ser grotesca não sei e preciso ser justa ao ler as criticas positivas desse projeto, talvez haja um pontinho de verdade nessas avaliações, mas como um ser pensante e capaz de compreender as entrelinhas de uma história de mau gosto tanto quanto sem qualquer valor que seja incluindo o intuito de entreter eu não recomendaria esta série em hipótese alguma.

Read More

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Hopper está vivo? - Stranger Things 4 é quem vai nos responder

fevereiro 16, 2020 2

Na expectativa pela 4° temporada vamos relembrar a trajetória de Stranger Things 


Olá galerinha da bagunça!
Pra quem acha que eu não curto série da modinha está bem enganado, embora eu seja extremante seletiva com o que assisto Stranger Things merece o lugar que ocupa no meu coração.
Terceira temporada terminando e sou bombardeada pela pior notícia que eu poderia receber, Hopper morreu - mas como assim? Imaginem uma pessoa que chorou desconsoladamente por dias, só me lembro de ter chorado assim com a morte do Glenn do The walking dead.
Mas ai... Zapeando pela net vejo um teaser que quase me faz infartar, Hopper está vivo e foi levado pelos Russos wtf?
Lógico que eu fiquei feliz e quem é fã da série muito provavelmente está entusiasmado com a ideia de ter um personagem tão querido de volta, convenhamos será se só eu shippo Hooper e Joyce?
Sem data prevista para o lançamento da 4º temporada vamos relembrar esta incrível história.





Titulo: Stranger Things
Criadores: The Duffer Brothers
Temporadas: 3
Ano de lançamento: 2016
Gênero: Ficcão científica/ Terror/ Sobrenatural/ Drama adolescente
Sinopse: Em novembro de 1983, na pequena cidade de Hawkins, Indiana, um garoto de 12 anos, Will Byers desaparece misteriosamente. A mãe de Will, Joyce, torna-se frenética e tenta encontrar Will, enquanto o chefe de polícia Jim Hopper começa a investigar, assim como os amigos de Will: Mike, Dustin e Lucas.


1º Temporada




Na primeira temporada conhecemos Mike, Will, Dustin ( um dos meus personagens favoritos) e Lucas um grupo de amigos que mora em Hawkins, eles tem suas peculiaridades o que faz com que você se apaixone por eles logo no inicio da trama, porém um belo dia Will desaparece misteriosamente e a coisa vai ficando cada vez mais sinistra, o que é real parece ter uma versão diferente o que chamaremos aqui de mundo invertido, nesta temporada conhecemos 11 uma menina com poderes psíquicos que será peça fundamental para o desfecho desta história.
No decorrer dos episódios segredos vão sendo revelados e os responsáveis por essa bagunça não irão facilitar a vida de quem tenta resolver a parada.
Depois de acompanhar toda essa aventura você está pronto para conhecer ele...

Demogorgon


2º Temporada



Um ano depois do primeiro evento envolvendo o mundo invertido e o resgate de Will somos mais uma vez surpreendidos, nosso amigo voltou das sombras mas não voltou sozinho.
Essa temporada é tão boa quanto a anterior e gira em torno de Will que agora está a ponto de ser dominado pelo devorador de mentes.


3º Temporada




Essa temporada ainda está fresquinha na minha mente!

Nossos heróis já estão na adolescência e os romances começam a surgir, assim como amor as brigas também fazem parte do relacionamento e isso pode ser visto logo nos primeiros episódios.
Aqui a trama ganha um pouco mais de complexidade, o devorador de mentes está de volta e tem um plano traçado.
Dessa vez Billy é o alvo do monstrengo e cabe aos nossos heróis parar esse bicho horroroso.


Crítica

Stranger Things é de longe o tipo de série que eu assistiria apenas por ler comentários de que era muito boa, um ambiente fantasioso, monstros e um mundo invertido muita loucura junta não acham?
Mas é preciso admitir que basta um capítulo para sentir a necessidade de conhecer mais sobre essa história maluca.
Os personagens são marcantes e conquistam por suas características únicas, cada um deles tem uma personalidade bem marcante e o roteiro deixa isso transparecer muito claramente.
No geral a série é muito boa e nos leva a criar teorias sobre o desfecho de cada temporada e olha que não faltam opções.
De todas as mortes que houveram na série a suposta morte do Hopper foi a mais marcante sem dúvida, ainda mais depois de finalmente ele ter conseguido uma oportunidade de sair com a Joyce, o novo teaser traz de volta essa expectativa e por isso estou muito ansiosa pela nova temporada.
No meio de toda essa confusão Mike e Eleven também acabam separados e claro assim como torço pelo desfecho amoroso de Joyce e Hopper a expectativa também alcança o casalzinho teen. 

Por fim aparentemente Hopper está vivo para a alegria dos fãs e o lançamento do novo teaser deixa claro que em breve poderemos conferir mais sobre a história.
Read More

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Coringa - um filme pra se ver de mente aberta

fevereiro 15, 2020 0
"Por um momento senti que preferia o vilão "
Monica de França.

Olá povo que não dorme de madrugada porque tá assistindo séries tudo bem ?

O Oscar 2020 veio cheio de surpresas, Parasita um filme sul-coreano ganha a premiação e claro Joaquin Rafael Phoenix também é uma indicação não tão surpreendente assim no quesito qualidade, se esse cara não ganhasse na categoria de melhor ator podiam cancelar o Oscar.

Coringa o filme que deu a Phoenix o prêmio de melhor ator é daqueles que coloca numa balança o nosso senso de justiça.





Título: Coringa
Formato: Filme
Ano produção: 2019
Duração: 2 h 02m
Dirigido por:Todd Phillips
Gênero: suspense psicológico
Sinopse: Isolado, intimidado e desconsiderado pela sociedade, o fracassado comediante Arthur Fleck inicia seu caminho como uma mente criminosa após assassinar três homens em pleno metrô. Sua ação inicia um movimento popular contra a elite de Gotham City, da qual Thomas Wayne é seu maior representante.

Falando sobre

Depois de anos enxergando o Coringa como vilão insano, irreverente e sarcástico você pode conhecer a face por trás de toda essa maldade - Arthur Fleck um palhaço, até aqui imagino que não seja novidade pra você como também não foi pra mim, novidade mesmo foi a Epilepsia Gelástica  doença que inspirou aquela gargalhada bem característica do nosso adorado vilão.
Arthur Fleck desejava ir além dos shows de palhaço mas sua doença e talvez a maldade humana não facilitou em nada sua jornada humorística.
Filho de uma mãe tão insana quanto ele Arthur não se encaixa nos mais baixos padrões da sociedade, o que leva-o a assassinar 3 serumaninhos e através disso criar o caos em Gotham City.



Crítica

Coringa é um filme que trás um misto de sensações e cada cena contribuí muito para isso, como não sentir empatia pelo palhaço que é ridicularizado, espancado e humilhado ainda mais levando em conta sua capacidade mental? Julguem -me mas eu senti muito tudo isso.
No filme sob minha perspectiva vi um ser humano fragilizado e indefeso sendo vítima de uma sociedade fria e maldosa, óbvio que isso não justifica os assassinatos cometidos mas cara sejamos francos ...
Pra mim ficou clara a falha do sistema e da sociedade quando se vê alguém em busca de tratamento médico ser tratado como um nada, ou até mesmo em suas investidas de socialização a profunda ignorância.
O filme foi capaz de demostrar todo o sofrimento físico e psicológico que Arthur Fleck sofreu, eu senti a cada cena sua dor e angústia a ponto de sufocar em meio a seus sentimentos.
Preciso ressaltar que a atuação de Phoenix foi espetacular, ele se envolveu de maneira que ator e personagem pareciam um só numa valsa de horrores.
Uma história que permite diversas analises nos permitindo enxergar vilão e vitima em um único ser, Coringa é sem dúvida um tapa na cara da sociedade e que cada um receba a parte que lhe é digna de receber.
Read More

Parasita - Filme sul-coreano vencedor do Oscar 2020

fevereiro 15, 2020 0

Um filme sem mocinho e sem vilão que vai te deixar de queixo caído 


Olá meus pães de mel tudo beleza?

Antes de mais nada eu preciso deixar registrado aqui neste post a minha imensa alegria por ver um filme sul-coreano recebendo um prêmio tão importante para o cinema, não é de agora que eu venho exaltando  as produções sul-coreanas que sem dúvida precisam apenas de mais espaço para conquistar um grande público.
O que  está acontecendo agora é um despertar descomunal que leva muitos fãs das produções cinematográficas para fora da casinha
Bom mas sem mais delongas vamos ao filme.





Título: Parasita
Formato: Filme
Ano produção: 2019
Duração: 2 h 12 m
Dirigido por: Bong Joon-ho
Países de Origem: Coréia do Sul
Gênero: comédia negra, drama, thriller
Sinopse: Toda a família de Ki-taek está desempregada, vivendo num porão sujo e apertado. A situação deles parece mudar quando o filho começa a dar aula a uma garota rica. Fascinados com essa outra realidade, ele, a irmã e os pais bolam um plano para se infiltrarem, um a um, entre os burgueses.

Falando sobre 

O filme de Bong Joon-ho conta a história de uma família pobre que vive em circunstâncias bem precárias, desempregados e sem perspectivas vivem como podem até ganhar uma pedra de presente, junto com a relíquia da prosperidade recebem também uma proposta que poderia mudar suas vidas, Kim Ki-woo deveria se passar por professor enquanto um amigo viajava, amigo esse que era apaixonado por sua aluna.
Por outro lado vemos uma família rica, bem estruturada a não ser pelo filho mais novo que aparenta ter algum tipo de distúrbio ainda indefinido.

Pandora filmes | Quem é você em Parasita? - Pandora filmes

Kim Ki-woo vendo a situação de sua família acaba bolando um plano junto com sua irmã para que todos sejam empregados na mesma casa, claro que para que isso acontecesse algumas pessoas foram potencialmente prejudicadas.
Tudo parece estar tomando um novo rumo até que as coisas fogem do controle e o sonho de uma vida melhor escapa entre seus dedos.

Crítica

(Alerta de Spoiler)

Quando ouvimos falar a palavra parasita o que nos vem a mente?
Definição: diz-se de ou indivíduo que vive à custa alheia por pura exploração ou preguiça.
O filme trata brilhantemente sobre essa temática, além de abordar questões sobre as diferentes classes sociais.
Confesso que assistir a esse filme foi eita atrás de eita, embora o roteiro seja muito coerente as situações vão surgindo de maneira que o previsto não acontece o que nos deixa perplexos a ponto de não saber mais o que ta acontecendo.
O diretor Bong Joon-ho foi um gênio  sem sombra de dúvida e conduziu a trama como um show de surpresas, não me lembro se já vi algo parecido.
É possível ver comédia, drama e terror na mesma produção? Bong Joon-ho tornou essa estranha mistura  possível, não é à toa que venceu o Oscar desbancando muita produção hollywoodiana.

Parasita rompe barreiras e faz história no Oscar, confira os ...

Mas porque exatamente este filme e bom?
Parasita aborda uma temática super atual de uma maneira profunda e neutra ao mesmo tempo, onde não existe certo ou errado, vilão ou mocinho.
Ao mesmo tempo em que vemos uma família pobre cheia de maracutaias que são a base de ainda estarem vivos vemos uma família rica que deixa claro que podem agir igualmente de acordo com seus interesses.
Lá no fundo ambos não se sentem pertencentes ao mundo do outro embora são levados a interagir entre si.
Dar valor a coisas fúteis é uma lição que quase passa desapercebido, inicialmente temos a impressão de que a pedra que aparece lá no inicio da história tem alguma coisa de importante, isso depende muito do ponto de vista e daquilo que se dá importância.
O marido da governanta que está a anos preso no porão é o reflexo da parasitagem e deixa claro que não existe empatia na hora do salve-se quem puder.
Uma das falas que me chamou atenção foi quando o filho mais novo da família rica diz que todos os integrantes da família pobre tem o mesmo cheiro inclusive um cheiro nada agradável, esta para mim foi uma das mensagens nas entrelinhas que o filme quis expressar.

*Fim dos spoilers

A verdade é que Parasita é uma doce e louca confusão que cativa e conquista do inicio ao fim, mais uma produção que merece uma salva palmas.

Read More

sábado, 1 de fevereiro de 2020

5 filmes sobre - Desastres naturais

fevereiro 01, 2020 0
São filmes que nos tiram o folego e nos levam bem próximo do drama vívido por pessoas que sobreviveram a tamanhas catástrofes, veja agora 5 filmes sobre desastres naturais.

#5 O abrigo - 2011





Curtis (Michael Shannon) vive em uma pequena cidade no interior de Ohio com sua esposa Samantha (Jessica Chastain) e sua filha Hannah (Tova Stewart), sem muitos prédios e edifícios neste lugar não é difícil saber se uma tempestade está para chegar. Curtis passa a ser atormentado por uma série de visões apocalípticas, e não sabe se deve proteger sua família do que acredita que se aproxima ou dele mesmo.


#4 Tempestade: Planeta em fúria -2017





A ocorrência cada vez mais frequente de eventos climáticos capazes de ameaçar a existência da humanidade faz com que seja criada uma extensa rede de satélites, ao redor de todo o planeta, de forma a controlar o próprio clima. Apelidado de Dutch Boy, este sistema construído a partir da cooperação de 17 países é coordenado pelo engenheiro Jake Lawson (Gerard Butler). Após anos de dedicação, ele é afastado da função devido a questões políticas e, em seu lugar, é nomeado seu irmão caçula, Max (Jim Sturgess). Três anos depois, quando a coordenação do "Dutch Boy" está prestes a ser transferida dos Estados Unidos para a ONU, falhas pontuais provocam uma forte nevasca em pleno deserto no Afeganistão e altíssimas temperaturas em Hong Kong, que matam centenas de pessoas. Jake é então convocado para descobrir o que está acontecendo e, enviado para a estação internacional, desvenda uma imensa conspiração ao mesmo tempo em que precisa deixar para trás os atritos existentes com Max. (Wikipédia)

#3 Terremoto: A falha de San Andreas - 2015




Um forte terremoto atinge a Califórnia e faz com que Ray (Dwayne Johnson), um bombeiro especializado em resgates com helicópteros, tenha que percorrer o estado ao lado da ex-esposa (Carla Gugino) para resgatar a sua filha Blake (Alexandra Daddario).

#2 No olho do tornado - 2014




No espaço de apenas algumas horas, a cidade de Silverton é devastada por um ataque sem precedentes de tornados. Caçadores de tempestades acreditam que o pior ainda está por vir

#1 O impossível - 2012



O casal Maria (Naomi Watts) e Henry (Ewan McGregor) está aproveitando as férias de inverno na Tailândia junto com os três filhos pequenos. Mas na manhã de 26 de dezembro de 2004, enquanto curtiam aquele paraíso após uma linda noite de Natal, um tsunami de proporções devastadoras atinge o local, arrastando tudo o que encontra pela frente. Separados em dois grupos, a mãe e o filho mais velho vão enfrentar situações desesperadoras para se manterem vivos, enquanto em algum outro lugar, o pai e as duas crianças menores não têm a menor ideia se os outros dois estão vivos. É quando eles começam a viver uma trágica lição de vida, movida pela esperança do reencontro e misturando os mais diversos sentimentos.

Espero que vocês tenham gostado, até mais.

Veja também:
Read More

5 filmes sobre - Vírus/ Pandemias

fevereiro 01, 2020 0
É fato que 2020 começou bem movimentado não é mesmo?!
Rumores de guerras, catástrofes naturais, corona vírus e isso tudo aconteceu nos primeiros 31 dias do ano deixando o trending topics do twitter bem movimentados.
Por mais que esse seja quase um relato de filme de terror é a realidade que estamos enfrentando atualmente, pensando nisso separei 5 filmes que tratam um pouco desta temática.

#5 Paciente zero - 2018




Lançado em 2018 e dirigido por Stefan Ruzowitzky o filme conta a história de um grupo de sobreviventes que tentam encontrar um antídoto para um vírus altamente contagioso que transforma os infectados em uma nova espécie voraz, mas altamente inteligente.
- doença raiva


#4 Pandemia - 2016





Dirigido por John Suits, Pandemic conta a história de uma médica que lidera um grupo para encontrar sobreviventes de uma pandemia mundial, onde os infectados comem carne humana.


#3  A Gripe - 2013



Quando moradores de um subúrbio sul-coreano começam a morrer de uma doença respiratória, a área é posta em quarentena e o caos toma conta do local.


#2 Deranged - 2012




Dia após dia, pessoas pulam em rios como se estivessem possuídas e corpos são descobertos flutuando em toda a Coréia do Sul. O que poderia está causando uma epidemia de afogamentos? O governo declara estado de emergência. Jae Hyuk (Kim Myung Min), vendedor de uma companhia farmacêutica, suspeita que sua família esteja mostrando os sintomas das vítimas de afogamento. Através do detetive Jae Pil (Kim Dong Wan), seu irmão, Jae Hyuk descobre que um antídoto pode estar armazenado em um depósito.

#1 Contágio - 2011




Um vírus letal, altamente contagioso e transmitido pelo contato com pessoas infectadas ou com objetos que estas tenham tocado, se espalha rapidamente pelo planeta, enquanto a comunidade científica tenta descobrir uma possível cura. Contudo, a sociedade se mostra cada vez mais vulnerável à pandemia.


Não é de agora que o cinema vem investindo em temas como esse, tem pra todos os gostos.
Espero que vocês tenham gostado deste post e antes de ir gostaria de recomendar MUITO o filme Flu (A gripe) é horripilante.

Até mais.
Read More

Post Top Ad