quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

#Gordofobia_não_é_piada - Por Mônica de França

Olá meus queridos, tudo bem com vocês ?

O post de hoje vai falar um pouco sobre GORDOFOBIA  como vocês já leram no título.
Antes de nos aprofundar no assunto queria dizer que senti a necessidade de falar a respeito disso por dois motivos, primeiro depois de ser diagnosticada com TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada) eu passei a pesar 94 Kg engordei mais de 20 Kg no período de um ano e meio, com isso passei a sentir o peso psicológico que engordar tanto me trouxe, segundo porque eu resolvi buscar no youtube relatos que me ajudassem a manter a sanidade e encontrei.



Bom queria começar dizendo que obviamente senti o efeito do sobrepeso, talvez de uma maneira até mais significativa por alguns problemas de saúde alheios que vieram antes de eu engordar, mas de maneira geral encarei está "fase" de maneira tranquila, sabia que tomando anticoncepcionais e antidepressivos e mais uma porrada de medicamentos estaria agredindo significativamente meu corpo mas era necessário.

Há mais ou menos três anos me mudei e passei a morar num lugar muito diferente do que eu vivia, aqui praticamente não saio pra fazer caminhada como antigamente com isso automaticamente fico trancada em casa talvez por comodidade (risos).
Tudo isso sem dúvida contribuiu para o meu ganho de peso, queria deixar claro que com relação a comida consumo o mesmo de quando pesava 60 Kg.

Quando descobri que estava acima do peso ?

Há um ano sofrendo com ansiedade optamos pela psicoterapia, foi no consultório do meu psicoterapeuta que percebi que estava gorda, ele bem delicadamente me sugeriu um endocrinologista, e eu fiquei sem entender do que ele estava falando até ele pedir que eu me pesasse, na sequencia veio o tratamento com mais um medicamento que não mostrou resultado, afinal, os 4 Kg que perdi ganhei novamente ao parar a medicação.

Como lido com essa questão ?

Sinceramente...
É claro que eu senti as mudanças que aconteceram no meu corpo, bateu o desespero ao ver minhas calças não passarem mais pelas coxas, mas, com tudo isso me sinto feliz.
Perder peso para mim seria uma questão de saúde já que tenho uma cirurgia no joelho direito, mas não estou desesperada para que isso aconteça, não me massacro exigindo de mim desesperadamente que eu faça uma dieta relâmpago para emagrecer.
A estética da Mônica preocupa mais outras pessoas do que a mim mesma, sei que se eu entrar nessa vibe de preciso emagrecer pra ser feliz além de agravar meu quadro de ansiedade talvez nunca seja satisfatório o suficiente.

Final de 2017

Gordofobia não é piada 

Há algum tempo passei a buscar a representatividade, porque agora além de gorda tenho o cabelo curto 2 fontes inesgotáveis de preconceito, e foi ai que encontrei a linda da Luiza Junqueira do Canal Tá Querida e a Alexandra Gurgel do canal Alexandrismos.
A Luiza Junqueira fez um tour pelo corpo mostrando que cada um tem seu próprio biotipo não precisamos ser todas iguais, recomendo que você assista.
Já nossa querida Alexandra Gurgel fez uma matéria incrível pela BBC falando sobre a maldita gordofobia mas... Nosso querido comediante Danilo Gentili acha graça do assunto não é mesmo e por isso acabou atacando a Alexandra gratuitamente e diretamente no twitter o que gerou a #GordofobiaNãoEPiada tema que teve uma grande repercussão naquele dia.
Por conta disso contamos com a participação de mais youtubers como Maíra Medeiros entre outros e enfim o tema esteve entre os trending topics.

Minhas considerações 

O meu relato aqui é pra deixar claro que eu defendo essa causa.
Nem todo mundo que é gordo é doente ou infeliz, eu não sou infeliz e as doenças que tenho não foram trazidas pelo "sobrepeso", a questão é que cada dia as pessoas olham menos para si e mais para os outros a fim de criticar e apontar defeito.
Empoderamento é o que vivo hoje, me acho uma linda mulher que está totalmente fora dos padrões que a sociedade impõe e mesmo que perca os 20 Kg que ganhei nunca farei parte desse padrão, mas além disso sou estudante de pedagogia, mãe, esposa, youtuber, blogueira, filha, irmã, amiga e desempenho cada um desses papéis da melhor forma possível, e claro tenho um senso crítico muito aguçado pra entender que meu peso não define que tipo de pessoa sou.
Quando vejo pessoas que tem a mesma fisiologia que eu fazendo piada com gordos sinto pena, a gente nunca sabe o dia de amanhã não é verdade.
Outra questão que vale a pena comentar, porque diabos pessoas que já foram gordas e hoje são magras são as primeiras a encher nosso saco?
O método que essa pessoa escolheu pode não servir pra mim, não temos organismos iguais, difícil entender isso?
De maneira geral o sobrepeso me trouxe algumas coisas:
- aumentei o número das minhas roupas
- passei a entender melhor meu corpo
- passei a me sentir feliz como sou
- passei a me arrumar mais e me sentir linda
- comecei a perceber que não sou uma peça de carne no mercado
- percebi que aprendi tanto a ponto de poder conversar com qualquer pessoa sobre qualquer assunto

E se pudesse faria uma lista infinita de atribuições maravilhosas ao meu sobrepeso.
Eu me amo mais depois de tudo isso.
Isso não quer dizer que eu não tenha consciência de que em alguns casos a obesidade pode ter um reflexo totalmente contrário ao que apresentei neste post, mas isso continua não dando o direito de nenhum babaca fazer piada a respeito.
A questão é seja gordo, magro, alto, baixo, todos precisamos nos amar e nos aceitar como somos, não precisamos definir um padrão pra viver, todos temos peculiaridades e se fosse pra ser todo mundo igual Deus não nos teria criado diferentes.

Este assunto daria um vídeo rsrs e provavelmente irei gravá-lo compartilhe comigo suas experiências.
Abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário