quarta-feira, 22 de março de 2017

Pandora - A denúncia nuclear

Galera resolvi trazer este filme para o blog não só pela qualidade de sua produção mas principalmente por abordar um assunto a qual muitos não dão a menor importância, quanto vale o seu conforto ?



Pandora é um filme sul coreano lançado em 2016, e preciso dizer que os caras andam fazendo trabalhos muito bons superando os filmes americanos.
O filme tem duração de mais ou menos 2 horas e trata a respeito das usinas nucleares, você pode perguntar mas o que há de interessante nisso?

A menos que não tenhamos conhecimento de como funciona uma usina isso pode parecer um assunto sem qualquer importância, mas amigos este filme me arrancou lágrimas.
Próximo a uma grande usina existe uma cidadezinha que abriga um grande número de funcionários da mesma, funcionários esses que reconhecem todo o perigo de um acidente nuclear que obviamente não é levado a sério por seus responsáveis afinal a economia bem sucedida de um país depende disto.
Até que o inesperado acontece e em pouco tempo um raio de 20 km de distância já está tomado pela radiação, pessoas começam a morrer e não existia um plano de emergência a ser seguido.


O filme é muito bom e indico que você assista, mas aproveitando gostaria de tratar um pouco mais sobre o assunto, a foto acima é de uma usina nuclear, veja como ela funciona.

  • energia elétrica gerada por uma fonte nuclear é obtida a partir do calor da reação do urânio. A queima do combustível produz calor que ferve a água de uma caldeira transformando-a em vapor. O vapor movimenta uma turbina que dá partida a um gerador que produz a eletricidade. 
  •  A toxicidade baseia-se na radiação emitida pelas substâncias envolvidas na reação nuclear. Assim, tanto o material utilizado, quanto todo entorno serão fonte de radioatividade e, portanto, tóxicos.

Um reator nuclear precisa de resfriamento, mesmo em estado desligado, pois os processos de decaimento espontâneos desenvolvem uma quantidade de calor que pode chegar até 10% da força máxima do reator. Caso todos os sistemas de resfriamento falhem, o reator se esquenta, fazendo com que os metais dos combustíveis entrem em fusão, que acontece a temperaturas em volta de 2000°C. Nesse caso existe perigo do combustível fundir um buraco no contêiner de segurança, com a inevitável contaminação radioativa dos arredores da usina. Para evitar tal caso, uma usina nuclear tem cascatas de sistemas de resfriamento.
  • A falha de resfriamento pode ser causado por erros humanos, impacto de catástrofes naturais ou ataques terroristas. Foram falhas de funcionários no caso do acidente da usina Three Mile Island perto de Harrisburg, Pennsylvania, E.U.A que levou a destruição completa do reator e o vazamento de substâncias radioativas com mais de 1,6 · 1015 Bq no dia 28 de março de 1979 (nível 5 na escla INES).
    Um terremoto da 8,9 na escala Richter e o subsequente tsunami levou ao acidente nuclear de Fukushima I (nível 7 na escala INES). A falha de resfriamento fez os níveis de água nos tanques de de arrefecimento baixar, provocando aquecimento dos combustíveis e a formação de hidrogênio em 4 dos 6 blocos da central. As seguintes explosões destruíram os prédios e causaram vazamentos em contêineres de segurança com liberação de materiais radioativos.
    Em 1993 uma pessoa demente ultrapassou as barricadas de segurança da usina "Three Mile Island" com um carro e chegou até o salão de turbinas. Nesse momento o reator estava em operação sob plena carga. Foi condenada sob acusação de causar ou arriscar a uma catástrofe e internada em psiquiatria.
Usinas nucleares no Brasil 


O Brasil possui a sexta maior reserva mundial de urânio e instalações industriais do Ciclo do Combustível, operadas pela INB (Indústrias Nucleares do Brasil), que nos garante independência no suprimento de combustível nuclear.

Angra 1 é uma usina nuclear brasileira que integra a Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto. Situada na Praia de Itaorna, em Angra dos Reis, foi a primeira usina do programa nuclear brasileiro, que atualmente conta também com Angra 2 em operação, Angra 3 em construção e mais duas novas usinas a serem construídas na região Nordeste, conforme o planejamento da Empresa de Pesquisa Energética - EPE.
Angra 1 teve sua construção iniciada em 1972, tendo recebido licença para operação comercial da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN em dezembro de 1984. É uma usina tipo PWR (Pressurized Water Reactor) onde o núcleo é refrigerado por água leve, desmineralizada. Foi fabricada pela Westinghouse e é operada pela Eletronuclear.
Sua potência elétrica nominal bruta é de 640 MW.

ESTAMOS PRONTOS PARA ISSO?

Nenhum comentário:

Postar um comentário