domingo, 18 de setembro de 2016

Game Também é Arte - The Order 1886 - por Alessandro de França

Olá galera,
Hoje trago novidades para vocês, desculpem por não ter seguido com as postagens mas estava trabalhando em projetos aqui para o blog e também para o canal no Youtube.
Como prometido vocês verão hoje o primeiro post da série Game Também é Arte, minha parceria com meu amado companheiro Alessandro de França, vocês vão adorar confiram.
By Mônica



    Bom, pra começar, eu sei que Games não se encaixa nas sete artes, mas na verdade ele deveria ser a arte número zero, tudo começar à partir dele, ele ser o Deus das artes...tá calma, exagerei não é pra tanto rsrs, mas sério acompanhe uma produção de um game e me diz se não é arte, talvez dê mais trabalho do que muitos filmes por ai, e várias artes entram em um game, o cara desenha, faz trilha sonora, roteiro, enredo, hoje em dia usam pessoas, até atores famosos para capturar as feições e movimentos através de toda tecnologia que já existe e tudo isso vai parar no game, incrível. Enfim, talvez em outros posts falo alguns outros detalhes técnicos mas agora vamos direto ao ponto, de uma forma simples e direta, hoje falarei um pouco de um jogo que joguei recentemente, The Order 1886.

THE ORDER 1886


   Em The Order você entra na pele de Galahad um importante membro da Ordem, começando o jogo de uma forma tensa, Galahad é torturado pela própria Ordem por causa de uma suposta traição, após conseguir escapar o jogo volta um pouco no tempo colocando você em ação contra os Rebeldes, dessa vez como um fiel membro da Ordem.
   The Order - A Ordem
   A Ordem é uma espécie de "autoridade superior", tipo um BOPE, só que um pouco mais politicamente correta ou organizada, eles tem até um conselho onde é decidido o que fazer ou não fazer, mas as vezes alguém quer agir por fora, não seguindo as ordens do Chanceler, pode isso Perceval? Não, isso não foi uma piada, Perceval é um personagem do jogo.
   A Ordem é cheia dos armamentos, equipamentos e parafernalhas bem modernas pra época, mas também, os caras tem uns contatos fortes, nomes como Thomas Edison e Nikola Tesla aparecem no jogo. Mas todas essas parafernalhas não são à toa, afinal eles caçam os rebeldes, mas não só rebeldes, caçam mestiços. Mestiços? Sim meio Homem meio Lobo. Opa! Lobisomens! Ação, armas incríveis, tiros, lobisomens e... jogue e saberá. Tudo isso somado a uma beleza cinematográfica, tem como dar errado?
   O jogo é lindo com gráficos quase que perfeitos, é de cair o queixo, é tao bonito que usa um recurso encontrado no jogo LA NOIRE, um jogo que você é um policial e ao chegar na cena do crime tem que pegar alguns objetos e analisar pegando ele na mão para olhá-lo, The Order faz a mesma coisa, acho que só pra deixar você babando, as vezes você olha e diz...-Caraca parece de verdade isso ai.


   Muitos dizem que The Order é mais um filme do que um jogo, bom, talvez realmente The Order pareça um filme, tem bastante cenas no qual você apenas assiste, daqui a pouco joga um pouco de repente...mais cenas. Mas as cenas não são chatas, você quer saber o que está acontecendo na trama, que é bem eclética, uma mistura de ação, misticismo e conspiração.
   A trilha sonora é boa, combina com o jogo, a jogabilidade é fácil, não exige muita habilidade, matar um inimigo é fácil (exceção dos mestiços), basta acerta-los, mas afie sua mira senão você é quem morre.
   Para amantes do cinema e games The Order é uma ótima pedida pois mistura bem os dois gêneros, então se você tem um Playstation 4 (The Order é exclusivo de PS4), pode aproveitar essa obra prima que por já fazer um certo tempo que foi lançado, está com um preço razoável para o seu bolso. Eai bora matar uns lobisomens?


Nenhum comentário:

Postar um comentário